Apresentação do significado de design gráfico

Conheça o Universo do Design Gráfico e suas Diversas Vertentes

Identificar e resolver problemas é uma capacidade desejada em todas os departamentos, agências e escritórios ao redor do mundo. No campo criativo não é diferente. O design gráfico é uma área de infinitas possibilidades que existe para solucionar diversos tipos de problemas no campo dos sentidos visuais.

Existem princípios básicos para a profissão. É essencial que o designer gráfico tenha, ao mesmo tempo, excelente gosto estético, talento, referencial criativo, domínio técnico de ferramentas e que, acima de tudo, saiba equilibrar todos esses elementos com um objetivo: encontrar a melhor forma de apresentar determinada solução.

Criação de brandings, apresentações, sites ou materiais de papelaria. Parece simples que o mesmo profissional desenvolva todos esses serviços, certo? 

Na prática não é bem assim. Entenda.

Como o design gráfico agrega valor para as marcas

Há um péssimo senso comum de que o design gráfico trata apenas de criar imagens e peças bonitas. Ledo engano.

A aparência estética é apenas o resultado de um grande trabalho, que engloba a idealização do projeto, os valores da marca, a usabilidade das peças e um rigoroso estudo de quem irá consumir esse trabalho para que ele, de fato, converse com a audiência.

Em outras palavras, ele comunica ideias de forma assimilável para o público, visando os objetivos de marketing, sejam eles, comerciais ou institucionais.

Ao mesmo tempo em que os problemas são diversos as soluções também são. É por esse motivo que o design gráfico é um campo múltiplo de atuações, que exige entendimentos profundos sobre técnicas para cada tipo de trabalho.

Complexo? Tudo bem, vamos descomplicar um pouco.

Entenda mais a fundo a totalidade da atuação no design gráfico e porque nem todo profissional está apto para resolver tudo envolvido à área.

Identidade Visual

A identidade visual representa a aplicação da marca em todos os meios e formatos, de acordo com as características do logotipo.

Com base nisso é criado um manual de identidade visual que apresenta todos os componentes e as melhores práticas para sua aplicação.

Este documento é essencial para manter a unidade visual em todos os contextos.

Brand design

A gestão de marcas, brand management ou brand design é um outro segmento que se ocupa com a criação e a gestão de uma marca.

Após a criação do naming por um redator publicitário, o brand designer é encarregado de criar o logotipo e identidade visual.

Logotipo

Logotipo é o símbolo gráfico que representa uma empresa, marca ou produto. 

O trabalho, no entanto, é muito mais complexo do que se pensa e envolve muito conhecimento, estudo e planejamento. Se feito de forma correta, ele consegue transmitir os valores e objetivos da empresa e, ao mesmo, tempo, dialogar com o público ideal.

Um bom logotipo é memorável e passa a mensagem correta sobre a empresa que representa. Ele é composto por uma cartela de cores, tipografia e elementos gráficos. Dessa forma, ele dá forma e vida a uma ideia, nome e slogan.

Quando todos esses elementos são bem equilibrados tem-se a representação ideal que será um guia para a criação da identidade visual e toda a comunicação visual da marca.

Web Design

Também conhecido como design digital, o web design é indispensável hoje. Afinal, a grande parte do mundo da publicidade e comércio acontece hoje dentro das dimensões da tela de um celular ou desktop.

O especialista nesse campo, portanto, lida com os fundamentos do design e linguagens de programação para entregar soluções digitais.

Seu site é a principal porta de entradas para seus potenciais clientes na internet. Por isso, o trabalho do web designer com foco em construção de sites é construir um layout amigável em que o usuário tenha facilidade e prazer em navegar.

Unindo elementos como imagens, ilustrações e textos ele cria páginas que contam uma história e levam a objetivos diversos.

O web designer pode ser especializado em duas frentes na criação de um site.

UI Design

User interface, ou interface do usuário, é uma expertise que analisa e reúne todos os elementos do layout de site pensando na interação com o usuário. Seu objetivo é que a pessoa que navega o site consiga realizar todas as funções de maneira muito natural.

UX Design

User experience, ou experiência do usuário, por sua vez, se preocupa em surpreender quem entra no seu site. Ele lida com os fatores lúdicos do design e como eles tornam a navegação mais prazerosa, criando um laço emocional com quem navega.

Social Media

Saindo um pouco da esfera do site, o designer com foco em social é aquele que cria peças que podem ser usadas em qualquer espaço digital.

Posts em redes sociais, fotos de perfil e de capa, peças para campanhas de mídia paga (como no Google Ads, Facebook Ads, Linkedin Ads), banners para blogs, sites, e-commerces. São centenas de formatos e especificações técnicas e o trabalho desse profissional é conhecer a todos.

Mais do que isso, ele precisa ter experiência em finalizar arquivos para que as imagens ou vídeos sejam bem exibidos em smartphones, tablets ou desktops.

O design de aplicação móvel, como também é conhecido, domina recursos para produzir peças de boa qualidade e que ao mesmo tempo carreguem rapidamente. 

Esse último aspecto é indispensável, afinal, a atenção dos usuários é cada vez mais dispersa. Isso significa que quase ninguém mais espera muito tempo para consumir uma peça. Afinal, o que não falta é conteúdo para ser consumido.

Design de Impressos

Apesar de grande parte da comunicação acontecer nas dimensões da tela de um smartphone, a produção de peças gráficas, ou design de impressos, ainda é altamente estratégico para muitos segmentos.

Nesse caso, é preciso que o editor, o designer e o arte-finalista – profissionais envolvidos no processo de criação e fechamento dos arquivos – tenham muita noção do que estão fazendo. Afinal, a produção de impressos trabalha na casa dos milhares. 

Por isso, os erros são inadmissíveis!

Além disso, cada tipo de impresso tem um objetivo diferente e isso muda completamente a dinâmica de produção das peças.

Bons profissionais de design de impressos podem criar peças para diversos formatos, como: adesivos, banners, capas de livros, cartazes, catálogos, cartões de visita, jornais, revistas, folders, flyers, folhetos, rótulos e até outdoors.

Design de rótulos e embalagens

Uma das formas mais originais que o design encontrou para resolver soluções foi a criação de rótulos e embalagens para diferenciar produtos e chamar a atenção do público. 

Quem nunca se surpreendeu com uma embalagem diferente e quase (se não levou) o produto para casa só por causa disso?

O design de embalagens e rótulos faz mais do que apresentar as informações técnicas de um produto: ele encanta, instiga e diferencia dos milhares de produtos concorrentes. 

Portanto, o designer especializado precisa conhecer todas as regras, padrões e informações que devem constar nos rótulos do produto em que está trabalhando (e isso varia em todos os segmentos, seja alimentício, farmacêutico, esportivo etc) além de prezar pelo diferencial da apresentação.

Esse trabalho é o resultado do branding, valores e objetivos da marca com aquele produto específico.

Ilustração

Agora entramos num ponto que pode ser um pouco confuso. Afinal, nem todo designer gráfico é um ilustrador. Esse profissional é o criativo responsável por dar vida a conceitos e representações.

Gravuras, estampas, personagens e até imagens. O ilustrador é a pessoa que constrói storyboards, pinturas digitais, cenários conceito, ilustrações vetoriais, dentre muitos outros elementos.

É importante ressaltar também que o ilustrador nem sempre domina todos os estilos de ilustração, que são diversos.

Animação

A diferença entre o ilustrador e o animador é que este último traz movimento à sua criação.

Existem diversos tipos de animações.

Animação tradicional

Esta é a animação feita quadro a quadro e o animador precisa ter conhecimentos avançados em ilustração.

Trata-se de um trabalho muitíssimo trabalhoso, em que o designer cria 12 quadros para obter 1 segundo de animação.

Animação 3D

A animação 3D é uma das mais populares. Das mais simples às mais profissionais, como as produções cinematográficas, o trabalho é extremamente complexo e muitas vezes exige diversas pessoas envolvidas num mesmo projeto.

Modelagem 3D

A modelagem 3D é um passo além da animação 3D, mas um trabalho não depende necessariamente do outro.

Você pode encontrar a modelagem 3D em grande escala no mercado publicitário. Anúncios com manipulação de embalagens e produtos se apropriam muito dela.

Motion Graphics

motion graphics, também conhecido como motion, videografismo, ou design de animação é uma das técnicas de animação mais simples. A partir de uma imagem bidimensional, são aplicados efeitos como rotação, escala, opacidade e muitos outros que geram percepções de movimento na imagem.

Stop Motion

O stop motion é muito similar à animação tradicional, porém aqui se trabalha com peças físicas, que são animadas manualmente.

Design de games

O design de games trabalha com um produto muito específico. Ele tem o papel de criar e desenvolver jogos para diversos dispositivos (eletrônicos, videogames, etc).

Ele se ocupa em criar o roteiro; a modelagem dos personagens, cenários, todos os elementos e também em criar e configurar a linguagem multimídia. 

Portanto, é essencial que esse profissional conheça muito bem as características do público que consumirá o game. Afinal, a aceitação desse público é o que determina o sucesso, ou não, do jogo.

Aliás, mais do que entretenimento, os jogos podem ter diferentes propósitos, como ser educativos, fazer parte do funil de venda de um produto ou ajudar pessoas com necessidades especiais a desenvolverem e exercitarem determinadas habilidades.

Gamification

A gamificação, ou gamification, é uma expertise muito bem quista. Trata do uso de técnicas de jogos para engajar, facilitar o aprendizado e motivar ações. Tudo isso pode levar ao aprendizado.

Design Gráfico 3D

O design gráfico 3D é também muitíssimo popular. Ele cria desenhos com altura, largura e profundidade, o que confere mais realidade aos produtos. Você pode ver um bom design gráfico 3D aplicado em outdoors de grandes montadoras e concessionárias, por exemplo.

Trata-se de um trabalho complexo que exige conhecimentos em técnicas como iluminação e efeitos diversos, mas que dá à imagem mais realismo.

A diversidade no design gráfico vai além de habilidades técnicas

Conforme explanamos, nas principais áreas do design gráfico são necessários conhecimentos e expertises específicas. Há uma infinidade de ferramentas para esses profissionais, como os mais conhecidos Adobe Photoshop, Illustrator, InDesign, além de todos os elementos, conceitos e princípios que permeiam sua produção, especificamente.

Por outro lado, o trabalho deste profissional não para por aí. Quando falamos em criação, toda bagagem que uma pessoa carrega é essencial. Portanto, todo seu referencial, o que estudou, assistiu, leu, ouviu e experimentou, conta.

Até mesmo a cultura na qual está inserido contribui para o trabalho que desenvolve. Dessa forma, e como o design gráfico é uma área múltipla e “colorida”, quanto maior a diversidade de profissionais que as equipe tiver, melhor! Afinal, quanto mais olhares diferentes mais bem lapidadas às produções serão.

Portanto, fica a pergunta: vale a pena e é possível ter tantos profissionais na minha equipe? Para responder a esta dúvida, confira nosso post sobre o Outsourcing e como ele é a solução para as equipes de marketing!

Posts recentes

Receba mais notícias sobre a fastdezine

Open chat
Olá! Vamos bater um papo sobre como o outsourcing pode ser a solução para os seus problemas de Marketing?
Powered by